Corra Mary
17 mar 2011

Feminismo oportunista

Adão e Eva foi a primeira história que respaldou a hegemonia masculina no mundo. Depois de uma suposta joselitice dela, Deus (e não Deusa) ficou extremamente bolado e disse: “Se fodeis aí”. Presenteou a humanidade embrionária com o caos, as dores do parto, a vergonha, a menstruação (isso não é necessariamente uma praga, só as tensões que vêm antes), os celulares de toque polifônico, as bandas de tecnobrega e outras desgraças. A partir daí, o homem tomou a frenteira e se deu o direito de ser o timoneiro da nossa existência. E fudeu a porra toda, lógico.

A gente tem uma dívida histórica com vocês mulheres. Só Deus (e não Deusa) sabe o que vocês sofreram com o subjugo vindo de nossa parte. Vocês não votavam, não podiam trabalhar fora, apanhavam a troco de nada (SORTE que isso não acontece mais…), eram realmente tratadas como um gênero dependente e fraco (ou pelo eufemismo “frágil”). Não sei como vocês aturaram por tanto tempo isso, mas de fato houve uma virada em determinado momento. Mas para isso, algumas de vocês tiveram que ser incendiadas numa fábrica em troca de um feriado internacional. Além disso, parece que fogo tem algo de emancipador, pois foi isso que vocês tacaram nos sutiãs na década de 60. Direitos iguais, pero no mucho todavía.

Aí veio a pílula anticoncepcional, uma invenção que eu diria divina, se não fosse científica. Aí vocês puderam bradar aos quatro ventos: “Que porra é essa de ter 15 filhos? Só vou ter quando eu estiver preparada”, e assim foi mais ou menos. O problema é que vocês se fuderam bonito com a chamada “dupla jornada de trabalho”, ou seja, vocês saíam para trabalhar, mas se desmiliguiam para alimentar o Jr., cuidar da casa e alimentar seus maridos, que ainda eram tidos como provedores únicos, pois ganhavam muito mais que vocês. Grosso modo, o trabalho de vocês era um paliativozinho. Uma maneira machista de pensar “bem, agora elas podem comprar os sapatos delas sem encher meu saco”. O mundo foi muito cruel com vocês em milhões de aspectos. E a própria evolução dos fatos a favor de vocês sempre foi lenta demais

Mesmo depois de tudo isso, vocês ainda ganham 75% do que a gente (se estiver comparando comigo então, você tá fudida, filha), e ainda não podem se dar o luxo de cometer deslizes no trânsito, porque sempre haverá um bastião da burrice para gritar um “vai pilotar fogão” ou “tinha que ser mulher”. Isso se você não for loira, aí você é atingida por mais outra sorte de preconceitos de origem esquisita.

Bem, mas apesar de tudo, os direitos são iguais hoje em dia. Por mais que esteja incutida em algumas mentes anacrônicas a inferioridade feminina, isso atualmente é uma queimação de filme para quem pensa assim. O mundo lutou por direitos iguais (e é válido reconhecer que muitos homens participaram disso).

E partindo do pressuposto de que nós temos capacidades iguais, não entendo porque algumas coisas tradicionais continuam no nosso dia-a-dia. Por exemplo: pagar a conta. Não sei porque é papel do homem pagar, uma vez que os dois componentes do casal estudam e trabalham. Nós e vocês somos provedores juntos do lar. Se a gente divide as contas da casa, porque não fazer o mesmo na rua? Me parece que o homem tem vergonha de mostrar que precisa da mulher publicamente. E a mulher aproveita isso, pois o que não falta são exemplares femininos perguntando às outras se o peguete pagou tudo sozinho, pois seria uma vergonha se dividisse.

O primeiro argumento de vocês é que isso é simplesmente cavalheirismo, e isso não deve sair de moda. Gentileza é uma coisa, cavalheirismo é outra: é simplesmente um eufemismo machista. Se você ganha mais do que teu parceiro, ou tanto quanto, por que raios você faz questão de que ele pague tudo? Isso é um feminismo oportunista. Eu sei que a gente tem uma dívida histórica com vocês, mas não é por isso que a gente vai quitá-la nos restaurantes. Isso seria uma afronta a vocês mesmas. Todo mundo pede iguais oportunidades, e quando ela acontece, as pessoas não tiram a carapuça machista e ainda se sentem confortáveis nos pontos em que a tradição joga a favor. Ora, se tudo passou por uma revolução, que vergonha há em ser revolucionário?

Eu não ligo mesmo pra isso. Eu e minha namorada temos a mesma grana e ela não me ama menos por ter que dividir comigo em várias ocasiões. Não preciso mostrar nada. Uma vez paguei sozinho a conta, mas fui ao banheiro e dei o cartão e a senha pra ela. Para o restaurante todo, ela me bancou, oh, que vergonha. Meu papel não é de homem, é um papel de pessoa, e foi isso que vocês quiseram a vida toda: acabar com papéis exclusivos, não?

O que estou querendo dizer é que gestos de gentileza têm que ser independentes de gênero. Pra que cavalheirismo se não há damismo? A tentação que o cara deve ter em pagar a conta para a mulher deveria ser a mesma que teria em pagar para um amigo ou um irmão. Há 550 outras mil de formas de ser romântico, cortês e bom.

Postado por Pedro | Categorias: Crônicas, Pedro
POSTS Relacionados

Este post tem 109 comentários

  1. Concordo com a Maria…

    Gente, vamo parar em pensar em dinheiro.Em uma relação duradoura e verdadeira isso é o que menos importa.Isso é o que menos importa.

    E pra aquelas que disseram que o Motel é 100% responsabilidade do homem.Fiquei puto quando li isso, é como se o sexo fosse uma coisa boa só pro homem.

    Acho legal aquelas mulheres que ficam ofendidas com o homem querer pagar tudo, porque sao independentes , etc ,etc.

    Todas as que disseram que o homem tem que pagar tudo estão enganando elas mesmas, não terão um relacionamento que preste até que comecem a pensar dferente.

    Comentário por Vinicius @ 27/03/11 - 14:57
  2. Lendo este email fala do feminismo oportunista. Mas vc se esquece q mulher gasta muito mais. Com salão (cabelo+unhas+depilação), roupa e roupa intima. Quando vc acha q uma mulher gasta com isto. É o minimo que um homem pode fazer é pagar a conta e o motel. Eu sempre pago oq eu eu consumo quando saio com um homem, mas me recuso a pagar motel.

    Comentário por Alice @ 28/03/11 - 20:55
    • Olha só: se o homem pagar as suas contas, ele também pode falar que sempre paga o que consome.

      Comentário por Anarcoplayba @ 29/03/11 - 12:23
      • gente !! que discursao ridicula …

        Comentário por daiane @ 07/04/11 - 15:04
  3. qq é isso.
    sabe pq um homem tem que pagar a conta??
    uma mulher gasta horrores pra ir a um encontro: começando por cabeleireiro e manicure, depois tem depilação, maquiagem, uma roupa e um sapato novo…além das jóias/bijoux e afins. Agora fala, tem conta bancária que resista?
    Já o homem, por sua vez, põe um perfume e um sorriso.
    QUEM GASTOU MAIS?
    E não vem falando que se a mulher quer se arrumar o problema é dela que não é bem assim não, nem vem com hipocrisia, pq é obvio que ninguém quer sair com baranga…

    Comentário por Gabi @ 29/03/11 - 1:01
    • Definitivamente vocês não leem os comentários antes de comentar, ai ai. Esse argumento já foi refutado uns 50 comentários atrás. Mas já que estar feito uma Barbie é somente o que importa, e se você faz essa produção SOMENTE quando vai encontrar um rapaz, te encho de razão.

      Comentário por Pedro @ 29/03/11 - 1:08
    • “Ninguém vai querer sair com uma baranga”: mais uma prova que o interesse de se arrumar é primordialmente seu.

      Comentário por Anarcoplayba @ 29/03/11 - 12:22
    • Então quer dizer que homem não se cuida!? A velho, não tem dessa…o texto não é contra este tipo de postura feminina, de se arrumar e coisa e tal, mas sim contra um oportunismo, ou seja, duas medidas e dois pesos, entende!? Tem hora que é bom ser feminista…mas tem hora que não, acredito que o exemplo das contas tenha sido tão somente um exemplo em si. Do mais…gostei do texto e dos comentários.

      Comentário por Lucas @ 04/04/11 - 22:20
      • Exatamente, Lucas, exatamente! Foi só um exemplo! Obrigado, cara!

        Comentário por Pedro @ 05/04/11 - 0:30
  4. posso intervir? com licença! ? bom, o artigo inteiro, que passa superficialmente sobre questões complexas, profundas e que SIM, ainda existem em nossa sociedade (ao contrário do que diz O autor) usa a expressão “Feminismo oportunista” para argumentar… o que? Tchan tchan tchan tchan… a questão da conta do jantar? AH… mas que triste! 1o) o que ele trata como uma reclamação generalizada entre as mulheres (querer que o homem pague a conta), não é verdade, ele deve conviver bastante com essas mentes, masculinas e femininas, que ele mesmo cita, ainda bastante machistas e acomodadas; e 2) e mais importante, quer falar sobre coisas sérias, seu autor? use argumentos sérios! tanta discussão boa pra se fazer, sobre o papel (há papel?) da mulher e do homem na sociedade, e pra ele a grande moral da historia (e é uma história e tanto) do feminismo é pra quem sobrou o jantarzinho. um desperdício! melhor ele gastar o tempo dele pagando jartarzinhos para mulherzinhas por aí mesmo.

    Comentário por Juliana @ 29/03/11 - 17:34
    • Mas esse é apenas um exemplo de como o feminismo é oportunista… e tu deves bem saber disso. Porque as mulheres só querem direitos iguais nas coisas “boas”. Quando o “direito” é dividir o pagamento dum motel ou dividir dum “jantarzinho”, por exemplo, vocês (generalizando, já que a maioria (90%) de vocês é assim) não querem.
      E sobre se “produzir”, convenhamos… vocês não se produzem somente quando vão encontrar com um cara. O interesse de vcs não é só chamar atenção de homens, como também é causar inveja nas mulheres.

      Comentário por Gustavo @ 29/03/11 - 19:30
      • isso nao é verdade!

        Comentário por daiane @ 07/04/11 - 14:59
  5. Bom Pedro tenho que confesar que dei muita risada com os seus contos sobre as experiencias da vida maluca e Marina adorei a materia sobre as bandas falando sobr as criticas que nos com mais de 20 fazemos as bandas atuais .. Bom Pedro li uma materia sua que falava so Feminismo oportunista e apesar de me divertir com suas materias eu peço favorrrrr leia a bibliaaaaa pq vc falou um monte de besteiras e favorrrrrr leia sobre a revolução das mulheres por liberdade pq ninguem queimou sutiã viu!!!!!! xeruuu.

    Comentário por daiane @ 07/04/11 - 14:58
  6. A ignorancia inerente ao feminismo e ao machismo tem a mesma natureza e as mesmas infidaveis justificativas.

    Excelente texto, sobretudo face aos inumeros comentarios abaixo. Neles nota-se a indignação por parte das mulheres que reflete a total e completa disconexão com a realidade, pelo menos uma realidade que funcione e seja justa.

    Comentário por Eduardo @ 09/04/11 - 20:03
*Nome
*Email
Site/Blog/Url
Mensagem
* Campos obrigatórios